quarta-feira, 30 de maio de 2012

"Marmelada de banana"


Este foi um episódio quando da volta à visita de minha prima, essa menina Kedma, a João Dourado, escrito por ela mesma.
Da próxima, pense duas vezes antes de levar um pouco da Bahia para São Paulo, Ked!

"Morro do Chapéu é uma cidade do sertão baiano, que fica a uns 62km de João Dourado. Foi nossa primeira parada no ônibus que saiu de JD na segunda-feira à noite. Seriam 8 horas de viagem até Salvador, e todos já estavam praticamente dormindo no semi-leito. A parada em Morro do Chapéu, supus, seria pra entrarem mais um ou dois passageiros, já que o ônibus estava praticamente cheio. Entrou um homem, caminhou até o final do carro, entre as cadeiras, olhando tudo, saiu. Voltou com mais dois homens, as luzes do ônibus foram acesas, foram até o final olhando tudo, saíram. Ali nós já percebemos que eram policiais atrás de alguém/algo. Voltaram os três policiais juntamente com o motorista do ônibus: "Boa noite, senhores. Qual de vocês tem a bagagem de número cinco-oito-cinco-dois-dois-sete-cinco"? Bom, eu sou muito sistemática e havia decorado os números finais das quatro malas que estavam sob minha responsabilidade (bagagem minha, de D. Micol e de tio Ruben). Levantei o braço: "É minha". O policial: "A senhora pode nos acompanhar aqui fora, um minuto, por favor"? Na hora imaginei que a mala, lotadíssima, havia estourado e causado algum transtorno. Quando desci do ônibus, vi que a mala estava do lado de fora, bonitinha, fechadinha.
Policial 1: "Esta mala é da senhora"?
Eu: "Sim".
Policial 1: "Estamos achando esta mala muito pesada. A senhora poderia abrir, por favor, para verificarmos o conteúdo"?
Eu: "Pois não". (E já comecei a ter vontade de rir)
Abri a mala, e o cenário era aquele que você imagina de uma mala de alguém que viajou e quis comprar tudo que achou. Sapato, pacotinho de presente, panela, bugigangas mil... e doces em barra.
Policial 2, começando a revirar a mala: "Por que ela está tão pesada"?
Eu: "Tem muita bananada em barra".
Policial 1, rindo: "Ah, é doce"!
Policial 2 continua a revirar a mala, acha o pacote com as bananadas: "É isso aqui o doce"?
Eu: "É um dos pacotes"...
Policial 2 pega uma bananada, cheira... põe de volta na mala, ao mando do policial 1, que diz: "Deixa a menina levar os doces dela. Se fosse ela, não estaria aqui mostrando a cara e a bagagem. Pode fechar a mala, por favor".
E quem disse que eu conseguia fechar a mala, depois de tanto terem revirado? Precisei da ajuda dos policiais. E voltei pro ônibus, onde tio Ruben já perguntou preocupado: "O que foi, filha"? E eu respondi baixinho a ele e mamãe, que também esperava a resposta: "Suspeita de tráfico de bananada".

2 comentários: