sábado, 18 de junho de 2011

Herança de Gonzaga

São como fantasias carnavalescas, as bandeirolas nordestinas. Coloridas, inauguram a eminente alegria de voltar à terra: sentimento tão doce quanto a canjica, o bolo de milho e o pé-de-moleque, sensação que não precisa de quentões, licores e caipiroscas para sublevar-se. A festa junina, fria e acolhedora, trás à memória as raízes de um povo e sua afável simplicidade; trás à memória uma família que se senta à mesa, aos risos, para jantar pamonha com queijo coalho e café com leite. O choro da sanfona - que é meu também - marca o ritmo desse constante baião de dois: a saudade de casa e eu. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário