segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Adapt ação

É uma característica humana nobre, mas não é espontânea. Na verdade, é obrigação - ou isto ou as duras conseqüências. A mudança vem de terno e gravata, aperta o teu braço e diz, gentilmente:
- “É por AQUI, senhor”, acompanhado por um sorriso solícito e um olhar impaciente.
As únicas opções que se tem são gostar do caminho ou amargurar-se dele.
É curioso como a pronúncia deste termo soa como ‘abrupto’ ou ‘rapto’ e, incrivelmente, a aparência penetra no campo de valor semântico comum entre estes três.
O rapto da constância e da comodidade, abruptamente, requer... Adaptação. E, quando adaptar-se, a nova realidade não será mais tão abrupta, até vir a próxima grande mudança.
Ora, é um ciclo. Logo, nunca haverá uma plena adaptação, mas sim a freqüente e necessária adaptação – entendendo que tão logo acabe uma, inicia-se outra.
Cansativo? Penso que não. Apenas encorajador. 

Um comentário:

  1. Encorajador? me dá preguiça e medo. :(

    Thay

    ResponderExcluir