segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Batismo


   E mais um espaço virtual meu inaugurado. Aqui postarei – de início, ao menos - opiniões, memórias, imagens, vídeos, letras de músicas, poemas e afins, de minha autoria ou não. Não delimitarei um tema; as circunstâncias definirão o conteúdo e a freqüência das palavras.
   Entretanto, por que Entretanto?
   A diretora da Escola Presbiteriana de Canal (EPC), onde estudei até a Oitava Série, Anadir Carneiro (milagre só presta quando se conhece o santo), certa feita me disse algo, quando fui chamado à Direção. O motivo, não importa; você sabe, a última coisa que se faz no Fundamental é estudar. Pois bem, a temida apontou para meu rosto, proferindo, entre arregalos e salivas:
   - Você é questionador demais, Ewerton!
   Bons tempos. A afirmação foi conseqüência não do meu ato irregular, mas das minhas justificativas pautadas em erros terceiros (leia-se: professores). Eu, menino que era, entendia aquilo como repreensão apenas pelo tom de voz. Hoje sou grato a Prof.ª Didi por estimular uma aptidão tão essencial para o desenvolvimento de outras. De acordo com um comercial da TV Cultura, recentemente veiculado, “não são as respostas que movem o mundo. São as perguntas.” São elas que proporcionam o conhecimento. São elas, as interrogações e as conjunções adversativas.
   Parte da intenção de criar Entretanto se deve a Evelinne, graduanda em Jornalismo/UEPB, blogueira e minha irmã mais velha. Seus elogios quanto às minhas produções textuais – quase sempre com a modesta “é de família” - reforçaram o que tenho pensado há um tempo.
   Além do agradável, o útil: Seguindo o exemplo da Prof.ª de Redação Laura Loura, o blog servirá de arquivo para o treinamento da matéria. Outra pessoa que incentivou, talvez sem saber, foi uma amiga e colega de sala que se chama Amanda Barreto. Após ler alguns escritos meus, disse-me que eu deveria ser escritor de coluna em alguma revista. Sonhos à parte, funciona, a partir de hoje, o diário digital do questionador Ewerton Henrique Dourado.

2 comentários:

  1. Me pergunto sempre, dons de pessoas que são da mesma família existem. Texto coeso,coerente,agradável de ler.
    Pense num baiano escritor =)

    ResponderExcluir
  2. Gostei da maneira como escreve, doutor.
    E, sonho por sonho, estamos no mesmo barco.
    Abraço!

    ResponderExcluir